Do que fiz

© Márcia Sanchez Luz

(Img: Márcia Sanchez Luz)

Eu fiz de teu sonhar um doce afago

e sempre que me atrevo acho morada
para guardar o afã que, sem pecado,
me assusta e de meu medo faz cilada.

Eu fiz de teu sonhar meu aliado

para entender a dor desarrumada
e sufocar o pranto num bailado
de sóis atrás da lua enamorada.

De ti fiz meu maior e eterno abrigo

(alento que me acaricia o sonho
e mostra o norte quando estou à morte.)

Com teu afago não corro perigo,

pois sei que ao lado teu me recomponho
e vou em frente, cada vez mais forte.

(Do Livro “Porões Duendes“) 

De Luiz de Miranda para Juareiz Correya

SONETO IMPROVISADO PARA JUAREIZ CORREYA
Luiz de Miranda

Dou graças de luz por ti e por Palmares,
e palmilho o sonho de quem vive
entre engenhos de amor e arte.
És onde vejo o canto do bemtevi,
os gorjeios de Ascenso e Hermilo
que levam no vento só aquilo
que no coração é pura paixão,
nós noturnos, imensos e lisos
que a brisa alteia do Recife,
e me torna forte no sul a alma
de um jeito que me alucina,
menina de rios e mar sagrado.
Juareiz, leva contigo o abraço
feito de amigo jogado no espaço.

(Porto Alegre, começo da tarde de domingo, 9 de novembro de 2008).

FEITO AVE

Edir Pina de Barros

Nos ermos entre a rosa e seus espinhos
existe um mundo denso, indecifrável,
cortado por veredas, mil caminhos,
etéreo como os sonhos. Impalpável!

Um mundo onde o tempo é interminável,
sem sentimentos sórdidos, mesquinhos…
sem dores. Sem penares. Inefável!
Aonde vamos todos, aos pouquinhos…

E assim a vida explode no universo,
transcende a vil matéria, voa aos céus
cortando seus espaços, feito nave.

Quando o poeta canta e chora em verso
esgarça desse mundo, seus mil véus
e voa nos seus céus, qual fosse ave.

(Soneto enviado pela autora)

Turbilhão no céu – Agraciado com o Prêmio Bem Te Vi

Olhos que veem e entendem com o coração essa visão. Acima de nós, à nossa volta o mundo se oferece em espetáculo e sentido. Bom existirem pessoas como a Márcia que nos alertam os olhos e os ouvidos para a vida profusa e pródiga, para o trabalho sem descanso do mundo.

Aracéli Martins – São Paulo

A poeta MÁRCIA SANCHEZ LUZ nos surpreende cada vez mais com seu apuro estético. Quando pensamos que já atingiu o nirvana, ela vem e nos mostra uma beleza ainda além. Sua poética ao mesmo tempo clássica e moderna, densa no espírito e fluida na voz, simples no intento e elaborada na arte, tudo isso nos dá vontade real de lê-la: dá prazer ler a Márcia!

Fabbio Cortez – Rio de Janeiro

Belíssimo soneto. Hoje em dia, ele se põe como o Sol no ocaso, morrendo aos poucos, mas, retorna e brilha – teu soneto – e nos enche de esperança, minha linda poetisa, e doce criança.
abraços,
Mário Scherer – Porto Alegre

Márcia, só há beleza no verso quando a emoção nos encontra e os seus trouxeram-me lágrimas de alegria ao descrever a rotina de um dia.
Vc não precisa de loas, mas te acarinho porque és impar em versar bonito.
Um terno abraço, querida Poeta.
Lígia Saavedra – Ananindeua, PA

Diria, não fosse demasiadamente singelo, que em “Turbilhão no céu” Márcia se autorretrata não só por ser uma força da Natureza, mas, principalmente, pela criatividade, sensibilidade e inteligência humanas. Há que ler com atenção, pois que nas entrelinhas a universalidade fala de fatos essenciais. É, ao mesmo tempo, solene sinfonia e festeiro brinquedo de roda…
Caio Martins – São Paulo

Foi como o despertar de uma esperança / que morta se mostrava…” – belíssimo soneto, cuja métrica decassilábica parece ritmar a emoção de uma artista que prima pela sensibilidade.
A poesia de Márcia é assim: respira palavras.
Lindo, rítmico, métrico, mágico.
Parabéns, poeta, pessoa, artista Márcia Sanchez Luz.
Com carinho, respeito e admiração.
Luiz Poeta – Rio de Janeiro – Brasil

Querida Márcia,

a natureza, pródiga pintora,

eleva o céu à tela de beleza,
e vens, na tua verve encantadora,
cantá-la em tom maior de realeza.

Meu aplauso e meu abraço.

Regina Coeli – Rio de Janeiro

Éum HINO À CRIAÇÃO. E Deus fez o Mundo… e Márcia o pintou e cantou!
Saudações poéticas.
João Coelho Santos – Portugal

Márcia se afirma, a cada nova publicação, como uma das melhores sonetistas da Língua Portuguesa.
Cicero Melo – Recife

Márcia,

Incansável guerreira das letras, seus poemas, verdadeiramente, expõem a beleza das letras.

Adoro o brilho de suas criações.
Abraços,
Paulo Roberto Bornhofen – Blumenau, SC

Cultivar, nos dias de hoje e com tamanha maestria, a forma do soneto, é algo realmente muito raro.
Obra de ourives esta sua lavra mais recente. Meu aplauso, Márcia!
Marcelo Pirajá Sguassábia – Campinas, SP

Márcia,

Descrição da natureza, com sensibilidade e agregando tons próprios, ficou lindo. Você se desincumbiu otimamente do tema, um dos meus preferidos, poeta, parabéns!
Rizolete Fernandes – Caraúbas, Rio Grande do Norte

GRANDE LUZ,
QUANDO O CÉU PARIU
O SOL,
TU ESTAVAS LÁ COM TUA
POESIA AZUL.

ANTONIO DE CAMPOS – Pernambuco

Incansável a peregrinação
Por teus caminhos
Que verso e reverso são

Adroaldo Bauer – Porto Alegre